Tuesday, October 24, 2006

why don't you?

é porque as pessoas não sabem que o pior é mesmo o silêncio.
que angústia louca, meu Deus!
já viu filme que o cara tá na primeira fase da abstinência das drogas?
é quase aquela angústia ali, dadas as proporções.
e ainda digo mais:
(poxa, essa analogia foi boa, me toquei agora.)
é assim:
as drogas, né? ele consome, mais e mais, cada vez.
aí ou ele exagera tanto que causa o efeito inverso e as drogas o consomem e ele morre
ou ele resolve parar.
pra parar de se drogar tem que ser duma vez. hoje. pronto. nunca mais.
e começa todo aquele processo:
o cara fica preso num quarto, sua frio, se debate, chora, não dorme, grita, se desespera, lembra de tudo, tenta se boicotar, sofre o inferno na Terra.
e parte disso é lógico que é a dependência química sim. e a outra parte é a psicológica.
e o medo do: 'e eu não sei viver sem isso'.
porque o ser humano gosta de conforto e comodidade.
são as duas palavras mais utilizadas em propaganda de prédio novo. já viu? mesmo você sabendo que é óbvio que você não faria de um local desconfortável a sua casa.
então, quando você mexe com o que estava cômodo e confortável o mundo começa a desabar. enfim, o confortável era chão, tira o chão e vem abismo.
claro que a falta que faz é gigante. de repente o que tinha muita importância não está mais ali.
acontece que, pode prestar atenção, o sofrimento maior vem dos 'porquês' que aquilo se foi, dos 'serás' que a pessoa vai conseguir viver depois disso e da idiota da esperança de que quem sabe, ó doce ilusão, tudo não volte a ser como era antes e eu tenha menos trabalho de me jogar no mundo pra começar tudo denovo e conhecer um monte de coisas que eu não vou saber lidar.
e você fica naquela: não não não, me devolva o que já é certo!
e quem foi que disse que é certo? tem nada de certo, esqueça.
mas é. pode dizer que é todo sentimento. é nada. é insegurança mesmo. incerteza. inqualquercoisa que você não tem costume.
na verdade, em muitas vezes foi a melhor coisa que aconteceu na sua vida e você só vai saber disso muito depois.
por exemplo: na hora do desespero pela falta das drogas você acha mesmo que o cara tá lembrando que aquilo passa e depois vai ser muito melhor? lembra é p... ele quer é que ela volte e acabou-se. enquanto não, haja passar mal.
.
.
"i was the one you always dreamed of
you were the one i tried to draw
how dare you say it's nothing to me?
baby, you're the only light i ever saw
i make the most of all the sadness
you'll be a bitch because you can
you try to hit just to hurt me
so you leave me feeling dirty
because you can't understand
we're going down."
slow dancing in a burning room . john mayer

2 Comments:

At October 24, 2006 , Anonymous Kenji said...

Mas não saber é exatamente o mesmo motivo porque as pessoas não falam!!
Ao menos deveria ser, evitaria muita asneira no mundo...
Conforto não é só ter as coisas como se está acostumado, tem gente que consegue se confortar até mesmo com o caos, é uma questão de foco, eu gosto da variação, desde que procurando uma posição ainda mais cômoda... Mas não é só assim né... quem tem qualquer coisa não quer abrir mão, estagnação e acomodação são cada vez mais recorrentes... triste?
Ah... se não pensar q "há males que vem para o bem", melhor não tentar viver demais...

 
At October 24, 2006 , Blogger Georgia said...

Assino embaixo!

 

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home