Friday, October 13, 2006

simples-mente.

não sabia se colocava hífen ou espaço, ai que coisa.
enfim, vai o hífen, mesmo na dúvida.
me parece mais certo, sei lá porquê.
.
.
acho que a gente tem mania de se decepcionar demais nessa vida.
sei não, mas i got a feeling que o boom do momento é ser triste porque ser feliz é tão sem graça, tanta morre de inveja e dá tanto trabalho que cansa só de pensar.
e se antes quem inspirava e fazia tudo mais poético era a alegria, nesta hora é a melancolia e os percalços do dia-a-dia que nos fazem versar e compor.
nada contra, inclusive, eu participo disso, não sei ainda se querendo ou não, pois não sei explicar se é involuntário ou algo que eu deixei influenciar.
.
.
mas é que o pessoal (acho tão legal chamar a humanidade inteira de 'pessoal') tá ligado demais a padrões. e não se encaixe não pra você ver o que é sofrer.
também não tenho absolutamente nada contra padrões. mais uma vez, como racional que sou, eu os adoro. só não digo que quanto mais melhor porque enfim, não seria verdade.
mas os padrões estão errados? não. nem certos. padrão não tem isso.
só vejo que as pessoas olham demais pra coisas tão ínfimas, dá pena.
e eu luto tanto contra e não consigo me dar ao trabalho de explicar porque eu sou do jeito que eu sou. é uma coisa meio revolta dentro de mim, eu ia parecer simpatizante da volta do escambo pra acabar com o dinheiro e a ambição num mundo tão corrupto e sem valores....................
porque eu sei explicar eu só não tenho a paciência. desculpa, eu realmente não acho que vale a pena. pelo menos até hoje (quem sabe amanhã?).
.
.
sim, mas eu sei disso.
there is hope, people.
é tão bom quando você chega numa determinada fase (fase mesmo, tipo videogame). em que você já sabe as regras, já sabe o que tem que fazer, já se conhece o suficiente pra antever as suas reações e principalmente pra lembrar que não, a outra pessoa não precisa ser perfeita.
e quando eu falo perfeita não estou falando do conceito 'não ter nenhum defeito', porque aí já é viagem demais. quando eu falo perfeito é aquela coisa que a gente insiste em idealizar, achando que conhece uma pessoa de uma forma que ela nunca fará nada fora do comportamento que você espera.
ai, se mate, meu amigo. ou esqueça isso.
é possível sim conhecer muito bem alguém. mas não esqueça que muito bem não é 100%, nuncafoi e nunca, entenda, nunca será.
mas isto aqui não é pra te desanimar.
é pra você saber que vai ter uma hora que vai ficar tudo mais simples na sua cabeça.
quando você se der conta que o que te fazia mal era que você queria perfeição e, na realidade, ela não precisa, nem deve tentar, ser pefeita.
é ruim, eu sei porque eu passei por isso. isso de tentar ser perfeita e tem um momento em que ou você enlouquece (sim, porque perfeito pro 'a' é imperfeito pro 'b' e você convive com o alfabeto inteiro 10 vezes, imagina!) ou você chora e se acaba ou acha o macete pra finalizar esse negócio.
eu passei pela fase loucura, depois pelo chôro, me acabei e não finalizei nada, eu simplesmente pulei essa parte e deixei lá, por resolver e estou ok com ela até agora.
when the times comes...
.
.
eu digo e repito quantas vezes você quiser.
parece frase de palestra de motivação, mas não tem como dizer de outro jeito.
os problemas não são os problemas. os problemas são quando as pessoas não querem/podem/tentam/conseguem resolver.
sim, porque problema todo mundo tem e você não é ninguém pra medir se o meu é maior, igual ou menor do que o seu, é meu problema, tá na minha cabeça e quem sabe o espaço que ele ocupa é quem? eu.
mas enfim, quando você tem um problema e sabe resolver aquilo ali deixa de ser realmente um problema, a gente comumente chama de situação, né? lembra?
então, pra mim, tudo tem jeito (é, só não tem pra morte, ainda, é isso aí).
.
.
e você tem opções:
a. não acredita em nada disso, é tudo besteira, ô menina véa iludida.
b. acredita num pensamento muito distante da sua vida atual, vai ler isso aqui e achar que se aplica ao resto do mundo, menos na sua vida, lógico, que é hopeless.
c. você vai tentar. tentar. não é nenhum contrato. não significa que você vai conseguir, nem falhar, não tem pressão, não tem deadline. inclusive, você pode passar a vida inteira tentando, é ótimo. o bom não é o caminho e não o destino que dizem? so...
.
(escolhe a 'c', escolhe a 'c', escolhe a 'c'!)
.
.
.
'so fake cool image should be over
'cause i long for a feeling of home
real life, depicted in song
a loving memory
after long, home is a place where i yearn to belong'
home . simply red

3 Comments:

At October 13, 2006 , Blogger beto said...

Sam, (adoro te chamar de SAM com sotaque inglês!!!) lindo texto, lindo mesmo.

Eu escolho a letra C, não que não doa, mas todas as alternativas doem, apenas a C é mais realista...

Cada vez mais acredito que viver uma vida mais simples é o caminho, pelo menos para mim...

Adorei vc ter aberto os comentarios, eu sempre vinha aqui, mas é dificil ler e não poder falar nada.

Bota meu link aí que eu vou colocar o teu lá, apesar de não ter escrito nada há muito tempo, acho que vou escrever agora.

beijao.

beto.

http://tudootempotodo.blogspot.com

 
At October 13, 2006 , Anonymous Kenji said...

Poesia da tristeza... eu acho q as melhores sempre são as tristes mesmo...
E se puder ser de escárnio e depressão, melhor ainda... Aquelas palavrinhas ritmadas em asas de borboleta e cheias de arco-íris é... bizarro...

Padrões? Padrão enquanto um procedimento testado e comprovado é bom sim, mas enquanto um sistema bitolado e imutável é o mesmo que repudiar a inovação... pra mim é o fim da humanidade... ou do pessoal!

Dali dizia: "Não tema a perfeição, você jamais irá atingi-la", até mesmo porque o perfeito não é absoluto, mas sim uma questão referencial (ok ok, é uma analogia da física, mas entende quem quer)... E tem uma passagem do "elogio da loucura" que é: "Não tem quem te elogies, elogia-te a ti mesmo"... É uma máxima dos loucos, talvez por isso a fase da loucura seja a mais "feliz"!

Problema: Do grego "Problema" é qualquer coisa atirada a frente, projetado; "Problemo" atirar ou adiantar algo a frente de alguém; do prefixo pro- a frente de; e sufixo +ballo atirar. A origem etimológica do problema significa postergar, ou seja, enquanto você tentar solucionar as causas, o problema existe, já que ele sempre está a frente... Bah... besteira né...

 
At October 13, 2006 , Anonymous O Capitão said...

eu só queria que a vida fosse que nem um jogo de videogame... que na hora que a fase tá chata vc dá pausa e vai na cozinha beber refrigerante (eu fazia isso)... ou se você morre, você recomeça do início da fase e ainda tem 3 vidas para tentar de novo! E se morrer todas as vidas... vc ainda tem o continue! hehehehehehehe!!! Tudo salvo ou não... você escolhe como recomeçar!


beijos!

 

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home